fbpx

O renal crônico, pode comer chocolate?

 
O coelhinho da páscoa já bate em nossa porta! A cada ano, a indústria inova e oferece ovos de chocolates dos mais diversos tipos para agradar a todos os paladares. Mas ceder a esta doce tentação pode afetar o tratamento do renal crônico
O chocolate não está proibido para o IRC (insuficiente renal crônico). A nutricionista do INC-Nefro, Leila Paula M. Veiga, Especialista em Terapia Nutricional e Nutrição Clínica, recomenda, no entanto, moderação. “Consumir chocolate em excesso pode alterar o fósforo e o potássio, sendo prejudicial para os ossos e desencadear problemas no coração, até fraqueza muscular”, alerta.
 
O ideal é consumir chocolate esporadicamente, em datas comemorativas como aniversários, Páscoa e Natal. A quantidade recomendada aos pacientes que fazem hemodiálise é um bombom ou três tabletes. Importante considerar no caso de pacientes com diabetes que o açúcar do chocolate em excesso pode alterar a glicemia.
 
Mesmo para a população em geral há uma recomendação de consumo máximo de chocolate: de dois a três quadradinhos por dia, entre 10 e 15 gramas, preferencialmente meio amargo ou amargo. Estes chocolates têm respectivamente, 70% e 90% de cacau,  alto teor de antioxidantes e podem proteger contra doenças do coração. O chocolate amargo está entre os alimentos mais ricos em flavonoides, que são compostos bioativos , que  tem a função principal de antioxidante e anti-inflamatória.
 
O chocolate não é um vilão, o grande problema é a quantidade ingerida. Então, curta a Páscoa com prazer e moderação.